NOÇÕES BÁSICAS SOBRE MARÉS

 

O conhecimento das marés é muito importante para a navegação de recreio. O Instituto Hidrográfico, edita todos os anos uma publicação onde são apresentadas as tabelas para os diferentes locais do país com as respectivas correcções. Este artigo pretende dar a conhecer como funciona todo este complexo sistema que são as marés.

Como sabemos, as marés são movimentos oscilatórios verticais e periódicos das águas do mar que sobem e descem duas vezes, no período de 24 horas e 48 minutos.

Isto acontece, principalmente, devido à atracção exercida sobre o mar pelos astros situados muito próximos da Terra, como são os casos do Sol e da Lua mas, em teoria, todo o Sistema Solar tem interferência no fenómeno. Deste modo, o movimento giratório da Terra em relação aos astros irá provocar variações nessa atracção e, por cada vez que a Lua passa pelo meridiano do lugar (as horas das marés não coincidem, exactamente, com a passagem da Lua no meridiano do lugar. Retardam sempre um pouco devido à necessidade de vencer a inércia, os atritos do fundo do mar, a coesão das moléculas líquidas e, a este atraso da onda de maré chama-se idade da maré) dá-se uma Praia-mar nesse lugar e cada vez que a Lua nasce ou se põe, em relação a esse mesmo lugar, dá-se uma Baixa-mar. Portanto, tenha em atenção que no dia de Lua Cheia ou Lua Nova, não lhe corresponde a maior maré, mas sim no dia seguinte (+/-36 horas após).

Num dado momento, há sempre duas marés altas na Terra - a maré directa no lado que está voltado para a Lua e a maré indirecta no lado oposto.

As marés nos nossos rios não são muito irregulares mas, não têm, a regularidade dos mares. Dependem da configuração do rio na foz, da inclinação  e da forma das margens. A onda de maré sobe rio acima até a Praia-mar atingir o nível natural do mesmo. Se nalgum ponto do seu curso, a corrente para jusante é superior à maré enchente, é natural que as águas corram para a foz, mas encostadas à margem existirá, quase sempre, uma contracorrente denominada revessa.

A duração da enchente de um rio vai diminuindo para montante, aumentando, proporcionalmente, a duração da vazante. A soma dos dois movimentos não ultrapassa, porém, o tempo decorrido entre as duas Baixa-mares consecutivas na sua foz.

Amplitude


A amplitude da maré é a altura de água, em metros, entre uma Praia-mar e uma Baixa-mar e tem uma duração de 6 horas. A amplitude das marés varia consoante a posição dos astros (Sol e Lua) em relação à Terra.

Assim, quando a Lua se coloca entre o Sol e Terra ou a Terra entre o Sol e a Lua, a atracção aumenta provocando as marés vivas (o que sucede com a Lua Nova e a Lua Cheia, por exemplo). Por outro lado, quando o Sol e a Lua estão em quadratura, contrariam-se provocando as marés mortas ( o que sucede com o Quarto Crescente e o Quarto Minguante). Em pleno oceano, a amplitude das marés é, somente, de cerca de 0,6 m, em quanto nos mares costeiros pouco profundos e estuários essa amplitude é muito maior.

Por exemplo, na baia de Fundy, no Canadá oriental, a amplitude das marés é de 15 m.

Para haver maré é necessário que hajam deslocações de água de um local para outro da Terra; a esses afluxos e refluxos de água dão-se os nomes de enchente e vazante. No fim ou início dessas enchentes ou vazantes ocorrem períodos de paragem de água aos quais se dá o nome de estofo, sendo o mesmo mais prolongado nas marés mortas e mais curto nas marés vivas.

Os movimentos dos Astros


A Terra roda à volta do Sol, no seu movimento de translação, demorando 365 dias e 6 horas a dar uma volta completa. A Terra roda sobre si mesma em 24 horas.

A Lua roda à volta da Terra dando uma volta completa em 28 dias. Em Lua Nova (marés vivas), não se vê a Lua porque a luz do Sol ilumina a face contrária que não está virada para a Terra.

Em Quarto Crescente (marés mortas), vê-se a metade iluminada da Lua.

Em Lua Cheia (marés vivas), vê-se a Lua toda iluminada.

Em Quarto Minguante (marés mortas), vê-se metade da Lua iluminada.